domingo, 3 de abril de 2011

Conversando sobre livros e leituras

Ao criar esse Blog, minha idéia era homenagear o amigo Marcos Monjardim, acompanhando seus escritos e conhecendo um pouco desse seu lado escritor. Seu primeiro livro "O peregrino" terá seu lançamento no dia 21 de maio de 2011. Porém, algo teria que ser escrito aqui para que se justifique a existência do mesmo. Não sou escritora, muito menos poetisa, mas, sou uma boa leitora e amo a poesia.É pensando desse modo, que pretendo permanecer aqui. Minha vida como leitora se estende da minha adolescência até os dias de hoje. De escritores que passam pela literatura clássica, Moderna e Contemporânea Brasileira aos Estrangeiros. Machado de Assis, Guimarães Rosa, Graciliano Ramos, Cecília Meireles, Hemann Hesse, Richard Bach, Saramago, Gabriel Garcia Marques, Izabel Allende, entre tantos outros incluindo a literatura potiguar a quem presto minha homenagem na pessoa do escritor Dr. Armando Negreiros com "Viva a Vevre!" e a "Folga da dobra". Na poesia de Cruz e Souza, Castro Alves, J.G. de Araújo Jorge, Cécília Meireles a Thiago de Melo e Mário Quintana. Seguindo de Charles Baeudelaire a Pablo Neruda entre outros estrangeiros que enriquecem nosso cabedal literário e poético. E para enriquecer a nossa conversa deixo aqui um presente de Alphonsus de Guimarães (1870-1921). Poeta Simbolista, nasceu em Ouro Preto/MG: Ismália


Ismália


Quando Ismália enloqueceu,
Pô-se na tôrre a sonhar...
Viu uma lua no céu,
Viu outra lua no mar.


No sonho em que se perdeu,
Banhou-se tôda em luar...
Queria subir ao céu,
Queria descer ao mar...


E, no desvario seu,
Na tôrre pôs-se a cantar...
Estava perto do céu,
Estava longe do mar...


E como um anjo pendeu
As asas para voar...
Queria a lua do céu,
Queria a lua do mar...


As asas que Deus lhe deu
Ruflaram de par em par...
Sua alma subiu ao céu,
Seu corpo desceu ao mar...

Com todo carinho aos amantes da poesia e da boa leitura.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Quem Eu Sou?

Quem Eu Sou?

Querem saber como vivo?
Lhes direi...

Vivo do vento que me mantém lúcida e acordada para que eu não adormeça na caminhada.

Vivo do mar que me limpa do cansaço da luta e me recompõe para que eu continue.

Vivo das cores que me ensinam os remédios e os alimentos para que eu sobreviva forte para trabalhar.

Vivo da riqueza do meu melhor esforço, meu amor.
Planto-o por onde passo, não perco nem mesmo a terra de um vaso quebrado, pois ali a semente germina.

E sou feliz assim.
Sou simples, pois preciso de pouco.
Sou calma, pois aprendi a esperar.

Tudo vem.
E o campo arado e adubado produz coisas melhores, que valem a pena ser
preservadas.

Falo pouco, pois optei por grandes ocupações, como um trabalho escolhido de ouvir e por isso não me sobra tempo para as palavras.

Penso muito, mas corretamente.
Desejo só o necessário, ocupo pouco espaço e por isso não sofro por possuir. Sou feliz, sou abençoada, sou reconfortada e apreciada.

Querem saber quem sou eu, já que sabem como vivo?

Eu Sou...
" A Paz "

(Desconheço o Autor)